Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2006

Carta a uma amiga

"Amiga,

 Escrevo-te esta carta para te falar de ti, do que tenho vindo a observar dos teus comportamentos que te fazem infeliz. Passas os dias, a submeter-te às ordens dos outros sem nunca protestares, a cumprires com os teus deveres sem nunca exigires os teus direitos, a estar ao serviço dos outros esperando que reconheçam o teu valor.

 Nos amores, perpetuas essa necessidade de reconhecimento, despersonalizando-te. Fazes o vazio à tua volta para viver apenas para ele, para o satisfazer em tudo. Chegas inclusive a renegar as tuas desilusões para que ele esteja sempre bem. Pensas que o amor e o respeito dele são a cura para esse mal-estar que sentes.

 Sei que te sentes angustiada e ansiosa, que tens tendência para criar demasiadas expectativas relativamente às pessoas que achas importantes e também às outras que te rodeiam no dia a dia. No fundo, tens pavor à rejeição e ao abandono. Gostar de alguém, querer estar com ele, sentir-se plena com o seu olhar pousado em si, é saudável, não se pode é concentrar todo o esforço e todos os pensamentos à volta de uma ou duas pessoas, como se o «eu» fosse o deserto e elas o oásis.

 Essa dependência que crias à volta de certas pessoas faz-te sofrer e faz com que os outros se sintam desconfortáveis contigo, porque começas a controlá-los para verificar se ainda gostam de ti: o que dizem, o que não dizem, onde andam e com quem andam, se dão mais atenção a este e a aquele do que a ti. Se telefonam e não adivinham o que queres, fazes senti-los culpados. Se não telefonam porque, no fundo, já sabem que vão ser recriminados nos silêncios, sentes-te infeliz. Como te dás em demasias, achas natural que haja retribuição dos outros.

 Infelizmente, vivemos num mundo cada vez mais narcísico onde as pessoas vivem em constante competição. Cada vez menos, há espírito de grupo e por isso o normal é que nem reparem na pessoa fantástica que tu és.

 Quanto ao amor, é realmente a cura para essa mágoa que carregas desde pequena, para essa falta de cuidados e de atenção na infância, para as carências que têm vindo a aumentar na tua vida, mas o amor por ti mesma! Na verdade, não precisas da aprovação e do respeito de ninguém para seres feliz. Precisas é de gostar de ti e de te assumir como pessoa querida e bem formada que tu és. Não há cavaleiros andantes que nos salvam do marasmo da depressão. Ninguém é perfeito. Vai haver sempre crises nas relações, dias em que não há pachorra, momentos em que se prefere estar sozinho do que com os outros, isso não quer dizer que o amor e a amizade tenham acabado.

 Já reparaste que o amor atrai o amor? As pessoas que gostam de si mesmas e que se sentem bem fisicamente e espiritualmente atraem pessoas como um íman. Mas os pedintes do amor atraem principalmente a compaixão e a pena. É isso que queres para o teu futuro? deixa lá as esponjas no fundo do mar…

Ficares fechada em casa com medo de te envolveres com alguém, com medo de repetir de novo o mesmo padrão de comportamento, não te serve de nada. A rejeição e o fracasso fazem parte da vida. Não vivas na clausura. Apaixona-te pela vida, por passatempos, por actividades. Quem se apaixona pela vida, apaixona os outros e tu tens todas as potencialidades para gerares paixões…"

 

publicado por pitita83 às 21:50
link do post | comentar | favorito
|

.o meu Eu

.pesquisar

 

.Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. I Don't Want to Miss a Th...

. Uma noite para Comemorar

. Velho

. Cada Lugar Teu

. Deixa o Mundo Girar

. Carta a uma amiga

. Carta a um amigo

. Sedução

. O Cultivar dos pequenos G...

. Solidão

.arquivos

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Agosto 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds