Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2006

Carta a um amigo

"Amigo,

Dizes de ti mesmo que és um anti-conformista e que detestas qualquer tipo de festas em que haja obrigatoriedade de se fazer coisas. Dizes que o Natal é um disparate porque as pessoas compram coisas para dar a quem gostam e não gostam, que gastam o que têm e o que não têm, e que até são capazes de passar dificuldades o resto do ano para enfardar à bruta durante as festas de Natal e Ano Novo. Dizes que não estás para estar presente no dia do encontro familiar ou dos jantares de natal instituidos em que todos fingem por uns momentos que se dão todos bem e que nunca quiserem tramar-se nas costas, nem se mentiram, nem nunca te trataram como um idiota. Dizes que não estás para ouvir música sentimentalóide de Natal, num mundo que finge a Paz por uns dias quando o que querem é todos dominar o mundo. Dizes que não estás para gastar um dinheirão numa só noite em roupas compradas apenas para aquele momento e quase a asfixiar no meio de multidões que pretendem divertirem-se e excederem-se naquela noite para uma abstinência de todo um ano.

O que dizes é bem verdade. Não deveria haver dias obrigatórios de se dar prendas, de se ouvir músicas pacíficas, de se estar em convívios forçados e de se pretender ser aquilo que não se é. Também é verdade que as pessoas se excedem e que se endividam escusadamente quando não deviam. O ideal era que as pessoas se dessem bem todo o ano e que não tivessem de agir de forma contrária à sua natureza para agradar aos outros, mesmo quando não merecem. Mas a viver em sociedade tem o seu preço e as coisas não funcionam assim…

Às vezes, fico a pensar de como te deves sentir só, profundamente só, quando olhas à tua volta e vês toda a gente serena e bem humorada, a comprar coisas e a contactar com pessoas que gostam e a serem contactadas por muita gente. Toda essa afectividade que gira à volta do Natal faz-te sentir ainda mais excluido neste mundo moderno tão despersonalizado.

Às vezes, quando te vejo alheado de tudo, fico a pensar se não estarás a recordar os Natais da tua infância em que as luzes do pinheiro piscavam mais brilhantes, rodeado daqueles risos e palavras de entes queridos que já se foram porque simplesmente já faleceram ou porque a vida os levou para longe. Mas será que era assim mesmo como te recordas? É que em criança, não questionamos as coisas nem reparamos nos olhos tristes dos outros porque estamos concentrados à volta dos presentes e da alegria de estar com a família reunida…

Às vezes, quando te vejo assim fechado sobre ti mesmo, fico a pensar que não gostas é de mudanças, que não queres simplesmente quebrar certas barreiras que construiste à tua volta para não sofrer, que é mais fácil assim, não deixar ninguém entrar, ficar preso ao passado, não criar laços novos no presente…

Amigo independente, porque não fazes algo diferente este ano? Uma viagem? Uma reunião com outros que se sentem igual a ti (e são muitos, acredita!)? Um mimar-te, um jantarzinho especial só para ti, com o filme que queres muito ver ou o livro que queres muito ler? E abre-te, assim devagarinho, vais ver que não dói assim tanto, que há sempre alguém por perto que quer entrar e está à porta…"


publicado por pitita83 às 20:16
link do post | comentar | favorito
|

.o meu Eu

.pesquisar

 

.Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. I Don't Want to Miss a Th...

. Uma noite para Comemorar

. Velho

. Cada Lugar Teu

. Deixa o Mundo Girar

. Carta a uma amiga

. Carta a um amigo

. Sedução

. O Cultivar dos pequenos G...

. Solidão

.arquivos

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Agosto 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds